Cabeça de Mãe

The Oscar goes to… Me!

The Oscar goes to… Me!

Ai meu Deus! Hoje é dia de Oscar!

Amo cinema desde muito cedo. Cinema e livros. Nunca me imaginei uma atriz de sucesso, mas sempre amei assistir ao sucesso das beldades de Hollywood, das suas histórias antes da fama, da vida particular delas e deles, da atuação nos filmes… Fui crescendo e admirando outras coisas. Além da capacidade de interpretação eu queria saber porque escolhiam um papel em detrimento de outro, sua posição política, seu engajamento social, no que um personagem poderia influenciar sua vida… E o Oscar era o ápice disto tudo. A ponta do iceberg. O baile de gala. O sonho da Cinderela.

Quando criança não podia assistir à cerimônia de premiação do Oscar porque tinha que dormir cedo. A Cinderela era eu. Meus pais eram inflexíveis, não esperavam a meia-noite para me transformar em abóbora. 21h era o prazo limite para o encanto terminar. Criança dorme cedo e ponto. Perdi a conta de quantas vezes me irritei com isso e de quantas vezes me vali de estratégias de filmes de espionagem para tentar burlar a determinação de meus pais. Copo na parede para amplificar o som da TV na sala ao lado foi o artefato mais eficaz. Ou pelo menos eu acreditava nisso enquanto espremia a orelha contra o fundo de um copo de geléia e me sentia nos enredos de um 007 qualquer.

Depois que cresci um pouco e troquei os filmes de espionagem pelos romances apaixonados, já podia dormir mais tarde. Mas ainda assim não podia ver a cerimônia mais esperada do ano. Porquê? Porque no dia seguinte não havia romantismo algum em acordar às 5:30 da manhã para uma aula de matemática. Nem Ghost, nem Sintonia de Amor nem o clássico Tarde Demais para Esquecer me fariam superar isso. Nunca entendi porque o referido evento não acontece numa sexta ou num sábado! Domingo! Jura?

Já adulta e dona do meu nariz consegui por um ano inteiro tirar folga às segundas. Garfield e eu sabemos o quanto isso foi divino. Não trabalhar às segundas era como ganhar na loteria semanalmente. E então finalmente a cerimônia do Oscar seria um sonho possível. Preparei todo o cenário. Almofadas confortáveis no sofá, pipoca no balde, mate no copo. Maridão deu boa noite e boa sorte. Sala a meia luz. Tudo certo. Apenas um detalhe ou dois me fariam fracassar no meu intento. Filhos. Minhas crianças de apartamento. Embora eles dormissem cedo e raramente acordassem durante a noite, me deixavam como zumbi antes mesmo do tapete vermelho ser pisoteado pelas estrelas de Hollywood. Então mesmo com tudo preparado para minha noite de gala, desde a pipoca até o sorvete preferido, os olhos se recusavam a me acompanhar, iam fechando num balé lento e irresistível. Eu levantava, dava uma volta pela sala, tentava alternar um olho com o outro, tipo quando um fechava o outro mantinha-se alerta, mas nada funcionou. Me peguei inconsciente sobre o balde de pipoca sonhando com “And the Oscar goes to…” ao som de um chorinho baixo vindo do quarto das criança numa típica cena de filme trash. Por um instante me senti a Bela Adormecida. Por um breve instante. Em seguida me levantei de um pulo, corri para consolar quem chorava e como num passe de mágica do melhor aluno de Hogwarts me esqueci completamente do que eu fazia em frente a TV numa madrugada de domingo.

E de repente como se eu tivesse viajado no tempo a bordo de um DeLorean abastecido com plutônio radioativo tudo se repete. Hoje novamente é noite de Oscar! Hoje vou assistir tudinho! Não haverá Alien, Hannibal Lecter, Drácula ou Sniper Americano que vai me impedir. Vou driblar todos os obstáculos com a maestria do charmoso Indiana Jones e me superar numa cena digna da Carruagens de fogo! Hoje ninguém me segura. Montei todas as estratégias, calculei o horário das crianças irem para a cama, abasteci a despensa com mais pipoca e conferi o freezer para garantir que não faltasse o sorvete. Agi com o calculismo ímpar da senhora Smith.

Hoje não tem jeito, o Oscar vem pra mim! Ou pelo menos assim eu espero…

Post Anterior

Pulam o carnaval com estilo

Próximo Post

Seu Gideão

Comentários

  1. 23 de fevereiro de 2015 at 12:11 — Responder

    Lindo e emocionante, como sempre! But this time you are completely wrong, dear daughter, because the Osacar goes to ME! Because of YOU! I am the winner!

  2. Gisele
    23 de fevereiro de 2015 at 22:54 — Responder

    Muito legal os posts Karin!! Parabens

    • 25 de fevereiro de 2015 at 08:12 — Responder

      Que bom que gostou, Gisele! Bjs

  3. José luiz blanco Bertolo
    25 de fevereiro de 2015 at 12:03 — Responder

    Muito bom Karin adorei
    Eu tambem sempre gostei dos
    Oscar apesar que não sigo muito a vida dos artistas !!!
    Um Beijao
    Luiz bertolo

    • 25 de fevereiro de 2015 at 16:09 — Responder

      É diversão garantida, né José Luiz? E este ano eu finalmente consegui assistir inteirinho! Bjs

  4. Liana
    26 de fevereiro de 2015 at 11:20 — Responder

    Adorei sua maneira de contar sobre o Oscar. Parece que estou vendo o ocorrido no tempo. Maravilhoso. Bjs saudosos. Deus abençoe vocês.

    • 27 de fevereiro de 2015 at 12:18 — Responder

      Que bacana que gostou Liana!!! Bjs

  5. Roberto Barcelos Borges
    26 de fevereiro de 2015 at 23:37 — Responder

    Parabéns .O cinema, ou os filmes nos levam a momentos inesquecíveis da vida.

    • 27 de fevereiro de 2015 at 12:21 — Responder

      Muitas vezes nos abrem novos ângulos para velhas ideias nos fazendo achar que inventamos a roda. E isso é incrível, né Beto Borges?

  6. ana maria araujo
    16 de março de 2015 at 11:38 — Responder

    Tambem amo cinema tudo de bom

    • 16 de março de 2015 at 12:00 — Responder

      E uma viagem, né Ana Maria? A gente se perde no tempo e no espaço em frente a telona. Muito bom mesmo!

Deixe seu comentário aqui.