Também...

Têm irmãos fora do casamento

Têm irmãos fora do casamento.

Pedro e Ana também têm irmãos fora do casamento. Fiz vários deles. Todos foram concebidos fora do casamento e dentro da sala de aula. Filhos que eu não dei a luz, mas vejo brilhar diariamente. Desses eu tive tantos… Tive engenheiro, professor, arquiteto, nutricionista, advogado, artista, fotógrafo, designer, músico, jornalista, doutor. Uma prole heterogênea, perfeita.

Professor é bicho esquisito. Briga, grita, ri, chora, fala. Fala pra caramba. Professor acha que ensina, mas na verdade aprende cada dia mais um pouquinho. A sala de aula, seu cockpit, é um lugar encantador, mágico, onde a gente brinca com as letras formando textos incríveis, mexe com os números desvendando problemas e equações, viaja no tempo para épocas distantes, cruza oceanos, percorre rios inteiros, se mete em batalhas sangrentas, constrói castelos, assiste enforcamentos, sofre com injustiças que se refletem em nossa vida de hoje. A sala de aula é lugar sagrado. Só para os fortes. Ou loucos. Ou ambos. Professores são educadores, pais, juízes, médicos, nutricionistas, santos casamenteiros e bipolares. São capazes de descer do salto no primeiro tempo de aula, ficar vermelho, explodir em broncas sonoras e se emocionar com a mesma turma logo após o recreio. Circulam entre céu e inferno com uma agilidade ímpar. São super humanos!

Super humanos que amplificam seus poderes neste espaço delimitado por concreto mas completamente livre de barreiras. E neste espaço fértil chamado sala de aula eu vi uma infinidade de mentes movidas pela criatividade. Mentes brilhantes que me faziam levantar da cama animada para mais um encontro matinal. Jovens que com seus questionamentos ímpares levavam a aula para outro patamar. Para o Olimpo e além. Jovens que hoje, fora desse espaço escolar, continuam deixando sua marca nesse mundão de meu Deus. Eu, sortuda que sou, fui agraciada com o carinho, cuidado e atenção de muitos deles. Hoje, já adultos, não me olham mais com aqueles olhinhos de quem precisa de orientação, assustados ou desafiadores. Hoje os olhos tem um brilho diferente. Um brilho de quem está pronto para se jogar nessa vida, enfrentar obstáculos e te carregar nas costas se for preciso. E quando a gente vê esse olhar a gente ganha na loteria. Taí, se emoção valesse dinheiro, professor era bilionário. No meu caso poderia estar emprestando dinheiro para o Bill Gates.

E é emocionada e cheia de orgulho que venho convidá-los a assistir o trabalho de um deles. Matheus Malafaia, meu aluno de tempos imemoriais, hoje dirige um curta chamado Sistema Solar. Neste filme ele vai te encantar com a história de Hélio, um moleque do jeitinho que ele foi quando frequentava minha sala de aula, educado, curioso e cheio de imaginação. Só que para isso ele precisa de verba, dinheiro, doação, apoio. Falta bem pouquinho agora. Você viu o teaser? Esse trailer que abre o post? Lindo, né? Se também te tocou e fez você querer ouvir a história desse moleque de olhos brilhantes, dá um clique no link aqui embaixo e ajude a produzir o filme. Eu já dei e vou estar na estréia. Vou sentar na primeira fila. Cheia de lenços de papel, é claro. Que tal a gente se encontrar lá? Vamos?

Clique aqui e ajude a colocar o filme Sistema Solar nas telonas.

Sistema Solar, o filme

 

 

 

Post Anterior

Segunda-feira feliz

Próximo Post

Como andar por San Francisco.

Comentários

  1. Nídia Blanco Villela
    16 de março de 2016 at 11:31 — Responder

    A primeira emoção veio pela descrição de Professor. Incrível e verdadeira! Professor é tudo isso mesmo. E depois pelo abraço sincero e verdadeiro que você dá em seus alunos e agora, muito especialmente, no Matheus. Demais!

    • 19 de março de 2016 at 16:40 — Responder

      Mãe, você sabe muito bem o que é essa sensação, né? Ser professor é presente divino, mas infelizmente não muito valorizado por terráqueos. Rsrsrsrs. Te amo minha professora querida.

  2. Liana Placenti
    17 de março de 2016 at 16:09 — Responder

    Fico feliz ao ver mais uma crônica sua, minha querida. E quero ajudar seu ex- aluno. Deve ser muito bom o curta. Bjs no coração.

    • 19 de março de 2016 at 16:41 — Responder

      Ajuda sim, Liana. Também quero ver logo esse curta! Muitos beijos!

  3. 5 de abril de 2016 at 18:42 — Responder

    A missão de um professor (a) é divina , emocionante e gratificante quando percebemos que formamos seres humanos honestos e capazes (, eu que o diga .) . Parabéns pelo lindo texto ! Já contribuí.

    • 22 de abril de 2016 at 17:10 — Responder

      E o projeto vingou!!! Vai sair o filme!!! Obrigada, Virgínia! Beijo grande!

Deixe seu comentário aqui.