Também...

Cozinham!

Cozinham!

Cozinhar é tão lindo, né? Eu acho. Acho um encanto você conseguir juntar alimentos diferentes, apimentar, salgar ou adoçar tudo e, como num passe de mágica, transformar em sonho. Sabe aquela pessoa que abre a geladeira, dá uma olhada na despensa e transforma tudo em banquete? Aquela que desfila na feira de orgânicos, ou na feira livre da esquina, ou no hortifruti do bairro, com a desenvoltura de uma modelo na passarela, olha cada barraca e sabe exatamente o que vai comprar para a refeição do fim do dia? Aquela que chega na tua casa e te vendo meio tristinha abre um sorriso com cara de “já sei”, corre pra cozinha e volta com o seu prato preferido, mesmo você jurando que não tinha nada gostoso no armário? Pois é, essa pessoa… NÃO SOU EU!

Cozinhar pra mim é tortura. Castigo, na melhor das hipóteses. Fico tensa no primeiro ato, acho que tudo vai dar errado. Entro no recinto certa de que o arroz vai queimar, o bolo (pronto, lógico!) vai solar, o miojo vai virar mingau e o brigadeiro vai virar pedra. E se ninguém aparecer em meu socorro, tenha certeza de que é exatamente isso que vai acontecer.

Quando casamos e saímos do Rio e consequentemente do conforto dos pais, decidimos para o bem do casal que todas as tarefas de casa seriam divididas. E nesta divisão, também para o bem do casal, a cozinha ficou com o Rafa. Não haveria desnutrição nem suicídio no nosso novo lar. Amém. Rafa sempre curtiu inventar misturas e como lavar louça já era uma terapia para ele, ganhamos os dois. Aliás estudos indicam que homens que lavam louça são mais felizes. Já viram isso? Eu já! Lógico! Coloquei até placa na cozinha aqui de casa. Afinal temos que manter o foco, né?

Hoje, minhas crianças de apartamento curtem a cozinha e se divertem com minhas tentativas, quase sempre frustradas, de preparar uma refeição. Quando anuncio que hoje será meu dia, eles se entreolham e riem, mas sempre elogiam a mamãe, mesmo que aleguem uma súbita falta de apetite durante o jantar.

Também, não dá pra comparar. Rafa assume a direção nos finais de semana e durante a semana, quando estão na casa dos avós, a insuperável comida da Bá coloca água em toda e qualquer fervura que eu ouse acender. Essa mulher é um escândalo. Tudo que bota a mão vira ouro, ou melhor, especiaria. Bá mora com meus pais desde que eu tinha 5 anos de idade. Chegou para cozinhar e não foi mais embora. Ela não quer e ninguém deixa. Já se aposentou há anos e ainda hoje se diz dona da cozinha. Fica brava quando alguém chega pra ajudar e adora quando aparece visita. É mais uma avó que meus filhos tiveram a sorte de ganhar de presente nessa vida. Recebem alimento para o corpo e para a alma diariamente.

Bá e seu empadão com as iniciais dos pequenos!
Bá e seu empadão com as iniciais dos pequenos!

No último aniversário da Ana aqui em casa, uma ex-aluna que virou amiga e controladora do meu comer, posto que é nutricionista, natureba e exímia cozinheira, me perguntou entre uma mordida e outra:

– Hummmm… Esse quibe está ótimo! Quem fez?

– A Bá – respondi eu

– E o cachorro quente?

– O vô Beto (outro vô de presente na vida dos meus pequenos)

– E o bolo?

– A Bá

E às gargalhadas continuou…

– E você, o que fez?

– A aniversariante, oras!

Essa sou eu. Pinto parede, penduro quadros, uso furadeira, conserto cortina, desentupo ralo, passo, lavo e faxino, mas fritar um ovo continua sendo um enorme mistério para mim.

E as crianças?

Bom, neste quesito Pedro não puxou o pai e Ana não puxou a mãe. Casal perfeito. Ela adora inventar, ir ao mercado escolher os ingredientes, usar a batedeira… Pedro, que por livre e espontânea pressão tem que participar, escolhe cuidar da louça. É… pelo menos, ao que tudo indica, será um homem feliz.

Post Anterior

Montevidéu: Ciudad Vieja!!!

Próximo Post

Copacabana, meu subúrbio particular

Comentários

  1. 6 de março de 2015 at 15:02 — Responder

    Homens que lavam louças são mais felizes. Palmas para nós. Lavar louça para mim é terapia.

  2. Roberto Céa Junior
    7 de março de 2015 at 10:46 — Responder

    VÔ Beto: O presente é meu, afinal são seis netos todos muito carinhosos e amados. Quando posso engano na cozinha, mas adoro lavar louça só que o chão da cozinha fica todo molhado e a Lucia !?!?!?!?!
    .

  3. Lucia Céa
    7 de março de 2015 at 17:01 — Responder

    Você não precisa cozinhar. Você é um escândalo na escrita. Observa tudo. E,cria. Com muito amor e, sempre presente com eles, tem vida, luz e, esta familia maravilhosa, que tem prazer de comprar, misturar sabores, para preparar o prato que gostam. O melhor,cada um dá o que gosta,sempre juntos e misturados!. Que Deus os proteja! Homem que lava louça, que faz o prato que a familia gosta, é muito feliz! Te amo Rafael.

Deixe seu comentário aqui.