Pela América do NorteViajam

Como andar por San Francisco.

Como andar por San Francisco.

Não sei se já contei por aqui, mas viajamos para conhecer, descobrir, aprender. Se você é daqueles que viaja para compras, esse não é um lugar que você vai curtir muito. Não saberei dar dicas de sapatos mais baratos, roupas de marca com desconto ou cremes e perfumes. Uma única vez que nos oferecemos pra trazer coisas para amigos, a viajem virou um caos. Definitivamente não é a nossa praia. Mas, se você curte desbravar cantinhos desconhecidos, saber mais sobre como nossos vizinhos vivem ou onde é um bom lugar para um piquenique, puxe uma cadeira e sinta-se em casa.

Como desbravar é a palavra de ordem do nosso clã, optamos por usar as pernas para tudo o que é canto. Acordamos cedo, tomamos um café quase almoço, preparamos sanduíches e bebidas para as mochilas, calçamos sapatos bem confortáveis e pernas para que te quero. Só voltamos para “casa” à noite. Hoje que as crianças estão maiores cada um carrega a sua mochila, mas quando eram pequeninos, além de mochilas colocávamos vez ou outra um deles nas costas. Suavizava o caminho dos miúdos e de quebra ganhávamos abraços quentinhos o tempo todo.

Revezamos as pernas com o transporte público da região. Pegamos mapas de metrô, linhas de ônibus, taxi boat e o que estiver disponível. Pedro hoje fica responsável por decifrá-los. E por alguns dias nos tornamos cidadãos daquela cidade em questão. É sensacional. Lógico que nem tudo são flores, né? Vez ou outra a gente se mete em alguma enrascada, mas aí o bom e velho ditado adaptado do original “quem tem boca vaia Roma” sempre nos salva.

Em São Francisco não foi diferente. Subimos e descemos muitas ladeiras a pé, mas aproveitamos para descansar usando os transportes da área, que por si só são diversão garantida.

Os charmosos cables cars, por exemplo, são imperdíveis. E aqui vai uma dica importante. Como também são transportes turísticos, nos pontos iniciais se organizam filas enormes para o passeio. Você não precisa engrossá-las. Basta seguir na direção que ele irá e esperar em algum dos próximos pontos. Ele para e você entra sem confusão. Se não tiver vaga ele nem parará no ponto.

Existem três linhas disponíveis:

Powell/ Hyde

Powell/ Mason

California/ Van Ness

Nós pegamos o Powell/ Hyde que vai por Nob Hill e saltamos na Lombard St para descer as curvas famosas no mundo inteiro!

Os street cars também são muito interessantes. Não são tão famosos quanto os cable cars, mas tem seu charme à parte. Parecem ônibus de outra era que atravessaram a barreira do tempo e chegaram até nós. Datam de 1950 e como são elétricos e andam sobre trilhos, não tem volante! São como bondes. Me senti Marty McFly em De Volta para o Futuro. Circulam muito pelo cais.

San Francisco tem metrô também, mas por lá eles são chamados de Muni Metro. Não tem muitas estações e a maioria do percurso é feito acima da terra, mas é bem rápido, confortável e fácil de usar. Só cuidado para não entrar no vagão errado! É que o Muni e o Bart tem estações bem parecidas, mas o Muni circula dentro da cidade e o Bart é uma espécie de trem que circula por toda a bay area e ainda chega até os aeroportos internacionais de Sao Francisco e de Oakland. No caso do Bart os tíquetes são comprados em máquinas eletrônicas e variam de acordo com a distância que você vai percorrer.

Por último, mas não menos eficiente sobram os ônibus, que integram também o sistema Muni de transporte e sua passagem pode ser utilizada em outro transporte num intervalo de 90 minutos. Saiba que para fazer o pagamento o valor tem que estar exato. Você deposita o dinheiro e o motorista te dá o tíquete em papel para vc poder usar em outro transporte se quiser, mas ele não mexe com dinheiro, portanto não te dá troco!

Ah, já ia me esquecendo dos ferrys. Eles também te levam para várias outras regiões na área da baía. Se resolver fazer aquele famoso passeio de bike até Sausalito, você pode voltar numa dessas barcas. Ou ainda, se resolver conhecer Alcatraz. Neste caso, atenção redobrada, pois os tíquetes devem ser comprados com muita antecedência, já que é um passeio turístico muito apreciado.

Outras duas possibilidades são as bikes e o aluguel de carro. Se for alugar bike não se esqueça: subidas não faltarão. E se optar pelo carro outro aviso: estacionar pode ser um problema. Além da escassez de vagas os valores de estacionamentos são bem altos.

Não preciso dizer que usamos todos. O carro, entretanto, só pegamos para sair da cidade, quando fomos a Sausalito e esticamos até Muir Woods. Depois conto que delícia que foi!

 

 

Post Anterior

Têm irmãos fora do casamento

Próximo Post

Uma questão de escolha.

Comentários

  1. 30 de maio de 2016 at 15:02 — Responder

    Muito legal prima….como sempre.
    È bom aproveitar as belezas do mundo….afinal, a vida passa num piscar de olhos, às vezes, nem percebemos…e sem perceber, não vivemos. Que a gente não perca de vista as coisas boas da vida..né???
    Beijos
    P

    • 31 de maio de 2016 at 08:21 — Responder

      Definitivamente, prima. As coisas belas da vida precisam ter mais destaque. Bjs

  2. Nidia Blanco Villela
    30 de maio de 2016 at 18:00 — Responder

    Beleza! Já estava com saudade, garotinha! Quem já visitou São Francisco só fala maravilhas, e depois de todas essas dicas dá uma vontade enorme de conhecer. Quem sabe? Amei!

Deixe seu comentário aqui.