Cabeça de Mãe

Arrumando o sótão

Arrumando o sótão…

Sábado foi dia de arrumar o sótão. Achei tanta poeira… 
Achei revistas do século passado e descobri que Spielberg traria os dinossauros de volta mais uma vez e ainda salvaria muitos judeus do Holocausto contando a história de Schindler. 
Achei os primeiros brinquedos das crianças e cadernos com as letras ainda tortas, mas sempre firmes dos meus pequenos heróis.
Achei cartinhas para o bom velhinho, onde Pedro se apresentava como um bom menino e Ana apenas como Ana (foi o máximo que ela conseguiu escrever com a mínima idade que tinha).
 Achei fotos onde eu conseguia ser mais nova que meus filhos e beeem mais cafona também. Rsrsrsrsrs
 Achei cartinhas que minha madrinha me escrevia quando eu era recém casada em São Paulo, postais que meu padrinho me mandava de suas viagens pelo mundo, bilhetinhos de amigas que hoje minha filha chamaria de BFF e até um recorte de jornal onde meu namorado de 1991 publicou que queria ficar comigo para sempre… 
Encontrei, em papel, amigos que não vejo há anos. Amigos que trouxeram com eles a lembrança das brincadeiras que fazíamos, do cheiro de toalhas limpas do armário lá de casa, do sabor do sorvete de chocolate das tardes quentes, dos ralados nos joelhos e roxos espalhados pelas canelas, dos sons das manhãs de verão quando meu pai montava a piscina e a gente acordava com o barulho da água transbordando no quintal, das risadas dos amigos, do colinho da minha mãe quando os problemas eram maiores do que meus ombros podiam suportar, das bochechas do meu irmão e do quentinho do seu pescoço onde cada vez que eu enfiava o nariz ali risadas deliciosas se espalhavam pela casa toda, do cheirinho da comida deliciosa da Bá que tenho o privilégio de comer até hoje, das correrias com a Máxima, dos amigos de escola, da casa de meus avós, dos passeios na corcunda do primo mais velho e dos papos na varanda com o pai dele, das discussões sobre História com minha tia, da faculdade, da sensação gostosa de ser virada de cabeça para baixo pelo meu tio Roberto…

Sábado arrumei o sótão e mexi em tanta coisa que estava adormecida…Tirei toda a poeira. Ficou limpo e cheiroso. Minha casa ficou leve e o coração quentinho. As crianças adoraram ouvir as memórias que transformei em histórias. E o namorado de 1991? Estava segurando a escada, bem pertinho de mim.

Post Anterior

Andam nos trilhos

Próximo Post

Brincam de Lego. Lógico!

Comentários

  1. Andréa Rodrigues
    10 de dezembro de 2014 at 14:18 — Responder

    Lindo!!! Não tem como não se envolver no texto.

    • 11 de dezembro de 2014 at 14:46 — Responder

      Andréa!!! Que bom que gostou. Se achou na foto? rsrsrs

      • Andréa Rodrigues
        11 de dezembro de 2014 at 15:44 — Responder

        sim rsrs. Eu também tenho essa foto

  2. Angela Fidelis
    11 de dezembro de 2014 at 15:53 — Responder

    Que texto lindo amiga, estou feliz em poder fazer parte desse passado que hoje se torna um presente de Deus para minha vida !!!! Bjos

    • 11 de dezembro de 2014 at 18:39 — Responder

      Ângela!!! Que bom te ver por aqui amiga querida!Relembrar é muito bom e poder reencontrar essas pessoas é melhor ainda! Muitos beijos!!!

  3. Sérgio souto
    11 de dezembro de 2014 at 19:14 — Responder

    Muito legal mesmo Karin.Parabéns pela inspiração. Pareço estar distante no grupo, mas é pq muitas coisas não lembro e não participei. Mas o mais importante é lembrar das pessoas e saber que estão muito bem.Tenho um carinho muito especial por todos.

    • 15 de dezembro de 2014 at 09:12 — Responder

      Obrigada Serginho. Relembrar é muito bom, em grupo melhor ainda, né? Parabéns pelas corridas!!! Bj

  4. lara
    11 de dezembro de 2014 at 19:28 — Responder

    Que delícia Karin….que mulher talentosa vc se transformou…..fico feliz!
    Lindo texto…melhor ainda, as lembranças!

    • 15 de dezembro de 2014 at 09:13 — Responder

      Ah Larinha que bom que gostou. Também estou muito feliz com esse reencontro com o passado. Muitos beijos!!!

  5. 11 de dezembro de 2014 at 22:26 — Responder

    Muito orgulhosa de ter uma amiga que não escreve simples textos, mas que entrega a alma, envolvendo e emocionante que os lê. Bjs

    • 15 de dezembro de 2014 at 09:14 — Responder

      Poxa Aninha, que lindo! Muito obrigada pelo carinho. Fico imensamente feliz que esteja gostando. Bjs

  6. Carlos Siciliano
    12 de dezembro de 2014 at 11:56 — Responder

    Se da vida ainda usufruímos, se a História prossegue, é por pessoas assim, que não se rendem à monotonia do nosso tempo. Tudo anda tão mecânico e insosso. Sorte nossa a sobrevivência de alguns poetas. Obrigado, Karin. Você nos inspira.

    • 15 de dezembro de 2014 at 09:15 — Responder

      Ai Carlinhos, que coisa mais linda. Ser chamada de poeta por um artista é um prêmio enorme! Muito obrigada pelo carinho. Saudades!!! Bjs

  7. Sheila Nora
    12 de dezembro de 2014 at 13:54 — Responder

    É muito bom ter o privilegio da memoria, poder relembrar nossas historia e reviver algumas.
    Nosso encontro foi inesquecivel!
    Bjsss

    • 15 de dezembro de 2014 at 09:16 — Responder

      É verdade, Sheila.Poder relembrar é um privilégio, em grupo então… Muitos beijos e parabéns pelo dia de hoje, que é seu!

  8. Nídia
    12 de fevereiro de 2015 at 23:18 — Responder

    Saudade gostosa, filha, de um tempo bem aproveitado, deliciosamente vivido!

Deixe seu comentário aqui.