Cabeça de Mãe

1 aninho da Agnes!

Aqui em casa tudo tem o hábito de transcender o tempo. Nossas coisas duram uma vida. Ontem fui trabalhar com uma camiseta que comprei há 6 anos e pelo andar da carruagem ela dura fácil mais 6. Com o Rafa a coisa fica ainda mais sinistra. A gente se assusta quando olha foto antiga e vê o cara lá com a mesma roupa. Com as crianças isso não acontece. Porque elas crescem. Não tenham a impressão errada e comecem já uma arrecadação de fundos para vestir a família Scarpa. Bom, é fato que a crise passou por aqui e acabou achando a casa tão aconchegante que tem ficado mais tempo do que gostaríamos, mas ainda dá pra não andar pelado. A questão é que ninguém que mora neste endereço curte o verbo comprar. Exceto quando ele se refere a tickets para algum lugar que ainda não conhecemos. Nosso sofá, por exemplo, nos conhece antes do Pedro ver pela primeira vez a cara de seus pais. E olha que o moleque já fez 15 anos. Mas esse sofá, coitado, não dura outros 15 não. Já estava na lista de reposição quando a família ganhou novo integrante. Agnes não podia deixar o pobre ir embora sem imprimir suas marcas. Agora sim, ele tem pés descascados, almofadas furadas e cantos comidos. Mas porque eu estou falando de sofá quando o motivo deste post é a Agnes?

Essa coisinha miúda e cheia de personalidade veio para dar uma agitada na tranquila casa dos Scarpa. Ela, como a crise econômica, amou a nossa casa e já fez dela sua morada. Gosta tanto que quando pegamos a coleira para dar uma volta, imediatamente pula no pobre do sofá mordido e se faz de morta. Odeia sair de casa. Se insistimos, ela começa a tremedeira e quando entra no elevador está a ponto de um ataque epilético.

Agnes tem verdadeira paixão pela Ana. Fica completamente deprimida quando a menina não está em casa. E vira uma pulga saltitante quando todos nós estamos juntos. Agnes nos fez voltar a comer a mesa (o idoso sofá agradece). Ela também me fez relembrar o tempo das crianças pequenas que acordavam para mamar. Agora sou acordada por micro passinhos a caminho de um pipi noturno. Na volta ela dá uma passada na nossa cama para um beijinho e às vezes, quase sempre, fica para terminar a noite bem no meinho. Agnes nos apresentou um outro tipo de amor. Puro, intenso e completamente desmedido. É fato que apresentou também uns xixis em lugares impróprios e uns mil malabarismos para um banho sem molhar o banheiro todo, mas isso a gente tira de letra quando o amor é tão gigante assim.

E hoje esse moleca encantada, a mascote da família, que faz a vovó correr pra ela antes de me dar o primeiro beijo, o vovô dividir seus deliciosos biscoitos naturebas, o papai querer fazer uma comidinha especial às 10 da noite de uma terça-feira, o Pedro voltar a brincar de pique pulando como um menininho com ela em seu encalço, que fez a Ana virar uma protetora linda e responsável, completa sem primeiro aninho de vida hoje! De presente, ganhou um bolinho só pra ela, mil apertos de todo mundo e em breve receberá o melhor de todos: um irmãozinho! Mas essa é uma história para o fim do mês!

Hoje, para nossa pequena, desejamos que, assim como tudo que passa por essa casa, tenha uma vida muito linda e longa porque ela faz um bem danado pra gente!

Feliz aniversário Agnes e mil obrigadas por todo esse amor!

 

Post Anterior

Tem um peludo pra chamar de seu.

Próximo Post

Essa é a história mais recente

Comentários

  1. Edyjani
    5 de agosto de 2017 at 21:22 — Responder

    Parabéns pra Agnes!! As coisas aqui em casa também duram, duram, duram… até acabar!!

  2. Nídia Blanco Villela
    6 de agosto de 2017 at 00:37 — Responder

    Que lindo e emocionante texto! Parabéns para a encantadora e cativante Agnes! Parabéns para toda a família da Agnes! Sou testemunha ocular do bem que essa pequerruchinha faz a todos nós. Vida longa e feliz junto dessa família bonita, unida e feliz! Amei!

    • 6 de agosto de 2017 at 18:02 — Responder

      E aí está a vovó que faz a carninha especial da Agnes e esquece do beijo da filha porque tem que agarrar a Agnes primeiro! rsrsrsrs

Deixe seu comentário aqui.